No encontro, o secretário-geral da ONU afirmou ser preciso prevenir guerras e perseguição. No entanto, Ban Ki-moon declarou que conflitos não desaparecem na noite para o dia, que mais pessoas vão fugir de crises e continuar se movendo em busca de melhores oportunidades . Para ele, o mundo precisa estar melhor preparado.

No evento, os Estados-membros discutiram os desafios e as responsabilidades, assim como as oportunidades dos grandes movimentos migratórios.

Ban destacou oito princípios para melhorar a preparação, começando com salvar vidas.

Ele afirmou que "a preservação da vida deve guiar todas as ações, de políticas de asilo a mecanismos robustos de busca e resgate".

Também são vitais: proteção, não discriminação, preparo para melhor atender a solicitações; partilha de responsabilidades em termos de aumentar o número de lugares de reassentamento de refugiados e melhor cooperação entre países de origem, trânsito e destino.

Outros pontos importantes seriam canais legais para refugiados e migrantes além de antecipar desafios futuros, incluindo o deslocamento causado pela mudança climática.

O secretário-geral destacou que, juntos, é preciso "traduzir estes princípios em realidade".

Ban lembrou a imagem do corpo do menino sírio em uma praia na Turquia. Ele falou que a morte de Aylan Kurdi e tantas outras tragédias devem nos obrigar a avançar juntos e ver os benefícios de longo prazo em integrar refugiados e migrantes.

O representante especial do secretário-geral para migração internacional, Peter Sutherland, afirmou que as questões sendo discutidas são "questões para a humanidade" que provavelmente vão crescer no futuro próximo.

Ressaltando a necessidade de cooperação, o especialista mencionou que ainda há muitos países que acreditam em uma ação unilateral para abordar desafios migratórios.

Sutherland também destacou o princípio de responsabilidade global, afirmando que "proximidade não determina responsabilidade".

A reunião na sede da ONU também contou com a participação de representantes dos governos da Alemanha, Áustria, Grécia e Turquia, entre outros países.